Casa António Patrício

Melhor intervenção inferior a 1000 m2

DESIGNAÇÃO DA INTERVENÇÃO URBANA:
Nome: Casa António Patrício
Localização: Rua António Patrício 197, Porto
Promotor/dono de obra: Privado
Arquiteto: Joana Leandro Vasconcelos
Construtor: FL Construções (Cobertura) e Coeng Construção (restante intervenção)
Data do fim de construção: 30/03/2018

ENTIDADE QUE APRESENTA A CANDIDATURA: Empresa: Atelier in.vitro
Morada: Praça General Humberto Delgado nº267, 5ºpiso, sala 9
Localidade: Porto
Código Postal: 4000-288
Telefone: 222449902
Site: https://www.atelierinvitro.com/
APRESENTAÇÃO BREVE DA INTERVENÇÃO URBANA:

A Casa de António Patrício está integrada num conjunto de três casas iguais e insere-se num lote estreito e comprido com três pisos, um deles em cave, duas frentes e jardim nas traseiras. Apresenta uma organização típica da casa burguesa portuense do início do século XX, com os dois pisos superiores destinados ao uso diário e interligados entre si através de uma escada central, e com o piso em cave destinado a um uso mais técnico e com acesso através de uma escada secundária. Apesar do razoável estado de conservação em que a casa se encontrava, a fachada posterior já tinha sofrido alterações no sistema construtivo e na dimensão e localização dos vãos que a descaracterizavam e tornavam necessária a sua intervenção. Nesse sentido, procurou-se reabilitar os elementos construtivos existentes e intervir pontualmente nas zonas mais degradas e/ou descaracterizadas, utilizando soluções baseadas em materiais e técnicas tradicionais, minimizando o impacto no edifício, preservando e valorizando as suas características originais e respondendo ao pretendido pelos proprietários. A introdução de novas infra-estruturas, nomeadamente hidráulicas, eléctricas, de telecomunicações e de climatização, importantes para melhorar os níveis de conforto e de segurança do edifício, foi pensada de forma a colidir o menos possível com os elementos construtivos existentes. O piso -1, em pior estado de conservação, e com uma relação directa com o jardim que se pretendia potenciar, foi alvo de uma maior transformação em termos de elementos construtivos e de organização espacial. Neste piso assumiu-se uma linguagem mais contemporânea através da criação de um espaço único, amplo, com aberturas mais francas para o logradouro, de forma a conferir-lhe um carácter mais nobre. Também o acesso interior a este piso, bastante degradado e com um carácter mais secundário, foi alterado, dando lugar a uma escada interior metálica constituída por uma única chapa de aço pintada de branco que se desdobra e liga os dois pisos, agarrando-se ao piso superior através de um ripado em madeira, também pintado de branco. As paredes deste espaço, reduzidas apenas às fachadas principal e posterior e às paredes meeiras existentes em alvenaria de granito, foram também caiadas de branco, contrastando com os pilares em ferro fundido instalados no centro do espaço, em substituição dos pilares em betão existentes. Nos dois pisos superiores, piso térreo e 1º piso, que mantiveram o uso original, salas e quartos, respectivamente, a intervenção foi pontual, decorrente de necessidades específicas, optando-se pela preservação de tectos, soalhos e carpintarias interiores. Nas instalações sanitárias e na cozinha procurou-se adoptar materiais de revestimento compatíveis com os existentes, como a marmorite, de forma a manter alguma continuidade entre os espaços. A fachada posterior, que se encontrava em muito mau estado de conservação, teve de ser substituída por uma nova fachada em estrutura de madeira, repondo os materiais e alinhamentos originais, com a aplicação de chapa ondulada na zona central, rebocando o volume lateral em alvenaria de pedra correspondente às instalações sanitárias. Em ambas as fachadas, as janelas, que se encontravam num estado de conservação muito precário, foram substituídas por réplicas em madeira, melhorando a eficiência energética e o comportamento acústico do edifício. A relação com o jardim a partir do piso 0, através de uma escada exterior de tiro em betão, construída em data incerta, mas seguramente posterior à construção original, foi também alvo de transformação e deu lugar a uma nova escada em estrutura metálica com degraus revestidos a madeira e guarda metálica em rede, inspirada nos desenhos originais da fachada.

MOTIVO DA CANDIDATURA:

Pretende-se com a apresentação da presente candidatura partilhar a experiência de uma intervenção de reabilitação de um edifício antigo da cidade do Porto que envolveu, por um lado, a manutenção do programa de habitação unifamiliar e a preservação do valor arquitectónico e patrimonial da construção e, por outro, a adaptação pontual dos espaços e elementos construtivos existentes aos parâmetros de conforto actuais e às exigências regulamentares. A manutenção da grande maioria dos elementos construtivos, tanto de carácter estrutural como de revestimento, para além de resultarem na significativa valorização do edifício em termos patrimoniais e arquitectónicos, permitiu concretizar uma intervenção de reabilitação com custos e tempos de intervenção consideravelmente mais reduzidos.