Reabilitação do Parque de Exposições de Braga

Impacto Social

DESIGNAÇÃO DA INTERVENÇÃO URBANA:
Nome: Reabilitação do Parque de Exposições de Braga
Localização: Avenida Dr. Pires Gonçalves, Apartado 60, 4711-909 Braga
Promotor/dono de obra: Camara Municipal de Braga
Arquiteto: Barbosa & Guimarães Lda
Construtor: ABB, Alexandre Barbosa Borges, S.A.
Data do fim de construção: 17/10/2018

ENTIDADE QUE APRESENTA A CANDIDATURA: Empresa: IB – AGÊNCIA PARA A DINAMIZAÇÃO ECONÓMICA, E.M.
Morada: Avenida Dr. Pires Gonçalves, Apartado 60
Localidade: Braga
Código Postal: 4711-909 Braga
Telefone: 253208230
Site: https://www.investbraga.com
APRESENTAÇÃO BREVE DA INTERVENÇÃO URBANA:

MEMÓRIA DESCRITIVA O P.E.B. (Parque de Exposições de Braga) foi criado em 1981, por decisão da Câmara Municipal de Braga, constituindo-se na única estrutura da região vocacionada para a realização de feiras, congressos, exposições e outros espetáculos recreativos, culturais e desportivos. Passados quase 30 anos sobre a inauguração do “Palácio de Exposições”, não tendo sido realizada qualquer obra de modernização, o P.E.B. carecia de uma profunda intervenção. O P.E.B. era constituído por um conjunto de edifícios, nos quais se destacavam a grande nave, o auditório, a galeria e o edifício administrativo. Todo este conjunto de edifícios, construído nos anos 80, apresentava várias patologias, fruto da idade, da solução construtiva adotada na altura e de uma total ausência de trabalhos conservação ao longo destes 30 anos. A grande transformação passou pela mudança do paradigma do negócio, trazendo para o conjunto edificado novas valências que o modernizaram e o colocaram num patamar de excelência na organização de eventos a nível nacional e até mesmo internacional. Estas alterações refletiram-se sobretudo ao nível de novas áreas programáticas, novos equipamentos e necessariamente uma nova organização funcional que otimizou acessos e circulações. Subjacente a todo este processo de alterações, existiu uma ideia de arquitetura que trouxe uma nova imagem, um novo rosto que simboliza a dinâmica de futuro que se pretendia para esta instituição. - Átrios e acessibilidade - O acesso principal ao FORUM é feito a partir de uma nova praça pedonal. No prolongamento da praça, surge a nova volumetria do FORUM. A partir da parte coberta da praça, acedemos ao grande átrio, bem como, de forma independente, à galeria de arte e à cafetaria. - Grande auditório - O edifício do grande auditório foi o que sofreu mais alterações de acordo com um conjunto de novas valências a instalar. No piso superior, para além do acesso ao balcão do grande auditório surgem três novas áreas funcionais: • Uma sala plana, com aproximadamente 600 m2, cuja polivalência permite a organização de diversas tipologias de eventos com a possibilidade de subdividir a sala em cinco espaços distintos. • Um auditório de pequena pendente com capacidade para 254 lugares sentados; • Uma sala polivalente de apoio com 156 m2. No piso inferior, tirando partido de uma área de armazém com grande pé direito, criam-se 6 espaços complementares de reunião, com 50 m2 cada. O grande auditório também foi intervencionado, de uma forma pontual e cirúrgica, otimizando e modernizando o seu funcionamento. O conjunto de alterações, permitiu passar a capacidade do auditório para um total de 1340 lugares sentados, já incluindo 18 lugares para mobilidade condicionada. - Grande Nave - A grande nave recebeu uma profunda transformação, que lhe permitiu otimizar o seu funcionamento, garantindo de uma forma eficiente, a realização de uma grande diversidade de eventos, com especial relevo para a área de espetáculos, com 12.000 pessoas de pé. - Espaços exteriores - O espaço exterior integrado dentro do perímetro vedado do Forum foi reformulado tendo como objetivo principal a otimização da sua rentabilidade, numa perspetiva de maior polivalência das atividades e eventos que aí possam decorrer. Estudou-se um layout, associado a uma infraestrutura de base que permitiu com o mesmo desenho três tipos de utilizações distintas: feiras/eventos, stands de exposição exterior e estacionamento automóvel. O segundo layout estudado visa a organização de grandes eventos, tipo concerto exterior com montagem de palco, para um máximo de 20.000 pessoas em pé.

MOTIVO DA CANDIDATURA:

O projeto de reabilitação do antigo “Parque de Exposições de Braga”, transformando-o no novo “Altice Forum Braga”, constitui um projeto de sucesso de requalificação e regeneração urbana. Sem podermos ser muito exaustivos, sintetizamos as principais virtudes da intervenção, que neste momento já conta com mais de um ano de experiência de exploração. 1. Desde logo a intervenção permitiu a regeneração urbana de um conjunto de espaços públicos, que estavam descaracterizados e abandonados, transformando-os e permitindo que voltassem a ser vividos e usados em articulação com a restante malha urbana envolvente da cidade, nomeadamente a integração e reabilitação dos parques infantis do Parque da Ponte; Requalificação da Avenida Pires Gonçalves entre outros; 2. Recuperou, modernizou e ampliou um equipamento urbano existente, com cerca de 30 anos, adaptando-o ás exigências técnicas e funcionais atualmente exigíveis, transformando-o num edifício de “ponta”, capaz de responder a qualquer solicitação ao nível da organização de eventos, culturais, desportivos, comerciais e sociais; 3. Reativou uma atividade económica que estava decadente, transformando este equipamento numa nova fonte de receita para o Município, garantindo assim, a sustentabilidade da intervenção; 4. A programação de atividades deste novo espaço assumiu uma enorme polivalência, permitindo a adição de um vasto conjunto de eventos, sobretudo culturais, sempre fundamentais para a identidade de um povo, de uma cidade e de uma região; 5. A reabilitação deste conjunto permitiu a criação de novos postos de trabalho, diretos e indiretos, sempre importantes numa intervenção com esta dimensão; 6. O novo “Altice Forum” assume uma nova identidade arquitetónica, qualificadora dos seus espaços exteriores e interiores, valorizando a intervenção e transformando o Edifício, numa nova referencia de arquitetura para a região. Em conclusão, o motivo desta candidatura, procura sobretudo partilhar o sucesso de uma intervenção de reabilitação e regeneração urbana, que de uma forma holística integra a arquitetura, a dinamização económica e empresarial, as atividades culturais, desportivas e sociais, num projeto “ancora”, que abrange uma vasta área, integrada no tecido urbano da cidade de Braga.