The Cordon

Residencial

DESIGNAÇÃO DA INTERVENÇÃO URBANA:
Nome: The Cordon
Localização: Rua Vitor Cordon, nº 19 - Lisboa (Chiado)
Promotor/dono de obra: Avenue Real Estate
Arquiteto: Ana Costa
Construtor: Tecniarte - Projectos e Construções, Lda
Data do fim de construção: 22/11/2019

ENTIDADE QUE APRESENTA A CANDIDATURA: Empresa: Avenue Real Estate
Morada: Avenida da Liberdade, nº 252, piso 4
Localidade: Lisboa
Código Postal: 1250-149
Telefone: 215989523
Site: http://www.avenue.pt
APRESENTAÇÃO BREVE DA INTERVENÇÃO URBANA:

O edifício situado na Rua Vitor Cordon, insere-se no conjunto de edifícios da baixa pombalina que foram construídos após o terramoto de 1755. Distingue-se pela sua localização privilegiada no coração do Chiado e pela vista panorâmica a sul, orientada para o Rio Tejo, ponte 25 de Abril e Cristo-Rei. Utilizado como sede de escritórios de várias empresas desde a década de 50, o edifício sofreu várias obras de remodelação ao longo dos anos. Antes da reabilitação, todos os pisos do Edifício Principal estavam descaracterizados no seu interior pelas sucessivas ocupações e usos, com divisórias em gesso cartonado e vidro, à exceção de cinco salas no Piso 2. Nessas salas, a Norte e a Poente, tinham sido conservados os lambris em painéis de azulejos, uns de estilo Neoclássico e outros com padrões pombalinos, bem como as pinturas decorativas nas paredes e tetos com a mesma temática. A reabilitação promovida pela Avenue teve o objetivo de devolver ao edifício o uso original de habitação. O The Cordon renasce em 2019, composto por 12 apartamentos com áreas entre os 60m2 e os 225m2 e tipologias que vão de loft a T4 duplex. A riqueza e singularidade dos padrões pombalinos presentes na fachada combinam com os sóbrios espaços interiores, recriando uma dinâmica fluida entre ambientes. No piso 5, nasceram dois apartamentos duplex virados a sul e com amplas vistas de rio, aproveitando as mansardas do edifício. Os vãos de correr envidraçados foram substituídos por janelas de sacada com desenho semelhante aos dos pisos abaixo e a luminosidade dos apartamentos é ainda incrementada por rasgadas janelas de velux. Nos pisos 3 e 4 são quatro os apartamentos de tipologias T1 a T3, com áreas que começam nos 70 M2 até aos 150 M2, para famílias que privilegiam o espaço, o conforto, as vistas de rio e uma luz que não deixa de surpreender. No piso 2, o património de azulejos e a pintura decorativa foram criteriosamente preservados por uma equipa de conservação e restauro especializada, para expor verdadeiras obras de arte que honram o passado e a cultura portuguesa. Nos pisos 0 e 1, desenvolveram -se dois magníficos e amplos apartamentos Duplex com terraços de mais de 80 m2 em deck. Ainda no piso 0 e com a integração das arcadas em pedra existentes a marcar o espaço, nasceu um Loft de 89m2 de estilo contemporâneo. No exterior, as fachadas e varandas foram reabilitadas e foi reposta a traça pombalina original, destacando-se a cobertura em telha, as cornijas e as cantarias de época. Com esta reabilitação, de modo a valorizar o Alçado Sul e eliminar alguns elementos arquitetónicos díspares introduzidos ao longo dos anos, foi agregada uma estrutura aligeirada de varandas em todos os pisos com a mesma projeção das já existentes. Esta estrutura, permitiu que os apartamentos voltassem à sua génese pombalina e que tirem partido das vistas de rio, bem como garante o ensombramento necessário dos vãos expostos a sul. A cobertura manteve as três águas, ocultando agora todos os equipamentos e zonas técnicas de forma harmoniosa. A nível estrutural, procedeu-se a um reforço profundo e tecnicamente exigente, não apenas para garantir a robustez do edifício, mas também para assegurar os padrões de conforto do utilizador a nível acústico, térmico e funcional, adequados ao uso habitacional. O núcleo de escadas e o elevador foram reabilitados e mantidos na sua localização original. A parte a Sul foi reconstruída na sua totalidade em betão e foram abertos vãos na lógica da métrica do restante edifício, que permitiram a ocupação do piso -1 como estacionamento.

MOTIVO DA CANDIDATURA:

A Avenue, nestes quase 5 anos de existência, tem contribuindo para a requalificação e regeneração da cidade de Lisboa através da intervenção em edifícios emblemáticos, sempre com total respeito pela história particular de cada projeto e pela zona onde se encontram. O The Cordon, cuja reabilitação e conversão para uso residencial foram concluídas recentemente, é um edifício que reflete a História do Chiado e do bairro das artes, da sua cultura e tradições, reinventando-as com novos códigos de modernidade ao combinar, nos seus interiores, a elegância clássica do passado com o conforto contemporâneo. Da herança de século XVIII, este edifício pombalino preserva a fachada e os principais elementos de arquitetura, como as cantarias, cornijas, a cobertura em telha, a azulejaria e as pinturas de época. O seu interior foi reconstruído com todos os detalhes de conforto, tendo sido incorporando nos apartamentos os elementos históricos que se apresentavam em bom estado de conservação. Os azulejos produzidos na Real Fábrica de Louça, entre 1772 e 1835 e as pinturas decorativas dos tetos e paredes também de época, bastante intervencionados ao longo dos tempos, foram alvo de um extenso e minucioso trabalho de restauro, exibindo agora o seu aspeto original e a sua integridade e unidade estética. A escolha criteriosa dos materiais é outra das características que diferencia este edifício. Dos acabamentos exclusivos como os pavimentos em madeira de afizélia aplicada em espinha, às cozinhas modernas e totalmente equipadas com ligação aos espaços de refeição, são muitos os pormenores que materializam o prestígio único desta nova morada. A obtenção da classificação energética B atesta a qualidade da reabilitação em termos de desempenho energético. A referência à localização privilegiada do The Cordon não poderá faltar. A vista ampla sobre a cidade e o rio foi potenciada pelas desafogadas varandas e terraços dos apartamentos numa homenagem à luminosidade natural de Lisboa.