Heroísmo 283

Comercial & Serviços

DESIGNAÇÃO DA INTERVENÇÃO URBANA:
Nome: Heroísmo 283
Localização: Rua do Heroísmo, 283 . 4300-259 Porto
Promotor/dono de obra: Geo investimentos . gestão de activos mobiliários S.A.
Arquiteto: Jorge Domingues – Jorge Domingues Arquitectos + Miguel Ribeiro de Sousa – Modular System S.A.
Construtor: Modular System DISCM S.A.
Data do fim de construção: 26/12/2021

ENTIDADE QUE APRESENTA A CANDIDATURA: Empresa: Geo investimentos . gestão de activos imobiliários S.A.
Morada: Calçada João do Carmo, 25
Localidade: Porto
Código Postal: 4150-426
Telefone: 220925505
Site: https://www.geoinvestimentos.com
APRESENTAÇÃO BREVE DA INTERVENÇÃO URBANA:

O projecto de reabilitação de cinco armazéns na Rua do Heroísmo 283, onde anteriormente se localizava a antiga empresa de pratas “TOPÁZIO” surgiu com o desafio de conseguir colocar em funcionamento os escritórios de várias empresas multinacionais em sistema de coworking. Com uma área total de construção de 5760m², estima-se uma ocupação para mais de 1000 postos de trabalho. Assim, o projeto e a obra foram divididos em várias fases, de modo a permitir a sua execução em função das novas exigências programáticas apresentadas por empresas distintas, que iriam ocupar os espaços a reabilitar. A abordagem passou por manter inalterado o maior número possível de elementos existentes da estrutura da cobertura e fachadas, assim como a distribuição de pisos que se desenvolviam em rés-do-chão e primeiro piso em mezzanine. Para cumprir os índices térmicos e acústicos exigidos, optou-se por revestir as paredes perimétricas com gesso cartonado e isolamento, assim como a introdução de novas caixilharias mais eficientes. Originalmente, os cinco armazéns ocupavam toda a profundidade ao nível do rés-do-chão, sendo que ao nível do primeiro piso o volume era recuado a tardoz. Este recuo serviu de mote para que ao nível do rés-do-chão, o volume recuasse para esse alinhamento o que permitiu criar espaços de estar exteriores e com isso os espaços interiores a tardoz ficarem voltados para pátios, conseguindo com isto novas relações de espaço interior/exterior com luz e ventilação natural. Ao nível do interior distinguiam-se as entradas dos armazéns pelo pé-direito duplo com relação direta do mezzanine ao nível do primeiro piso, o que desde logo definiu o princípio de intervenção da nova proposta, a aplicar em todos os novos espaços. Mantiveram-se os elementos verticais de comunicação, foram criados grandes espaços de trabalho em open-space intercalados com espaços de estar/lazer e de trabalho/reunião, de características mais informais com divisórias translúcidas, que permitiram organizar o interior conforme as exigências programáticas e quebrar o efeito da grande nave que resultava do anterior uso fabril do edifício. As grandes naves foram libertas de pequenos socalcos e desníveis, o piso rebaixado de modo a permitir a colocação de um piso técnico sobre-elevado, assim como todas as novas infraestruturas sanitárias que foram adequadas às existentes. As instalações de climatização, elétricas e de segurança foram executadas à vista, o que permitiu uma menor intrusão nas pré-existências. As fachadas existentes mantiveram-se como princípio conceptual do alçado geral, apenas se desenhando uma nova “pele” exterior com a aplicação de um material metálico ondulado e micro-perfurado que permitiu criar uma primeira proteção solar, manter a relação de desenho da fachada existente e ainda uniformizar toda a unidade de conjunto.

MOTIVO DA CANDIDATURA:

Esta candidatura é apresentada, pelo desafio que representou para toda a equipe envolvida, a reabilitação do edificado industrial existente e pelo seu resultado final. Consistiu na transformação de uma antiga fábrica degradada num excelente espaço de escritórios destinado a várias empresas multinacionais, no qual actualmente estão instalados mais de 700 postos de trabalho. A intervenção procurou manter a memória dos edifícios originais, neste caso cinco armazéns, mantendo a volumetria de dois pisos com mezzanine, preservando as asnas do piso 1, e as fachadas. Estas mantiveram o princípio conceptual do alçado geral, sendo apenas desenhando uma nova “pele” exterior no alçado principal voltado para o arruamento interno. Esta solução exterior, com a aplicação de uma estrutura independente em painéis metálicos ondulados e micro-perfurado, permitiu criar uma proteção solar ao alçado existente que foi mantido, e uniformizar toda a unidade de conjunto. Este projecto é um bom exemplo da requalificação do património industrial abandonado, comprovando que é possível adaptar este tipo de estruturas existentes a novos usos, devolvendo a esta área da cidade alguma dinâmica empresarial.