Ritz 77

Comercial & Serviços

DESIGNAÇÃO DA INTERVENÇÃO URBANA:
Nome: Ritz 77
Localização: Lisboa
Promotor/dono de obra: Galerias Ritz Imobiliária, SA
Arquiteto: OPENBOOK Architecture
Construtor: Consórcio HCI e Alves Ribeiro
Data do fim de construção: 21/04/2021

ENTIDADE QUE APRESENTA A CANDIDATURA: Empresa: OPENBOOK Architecture
Morada: Av. Conselheiro Fernando de Sousa, 19 - 8º
Localidade: Lisboa
Código Postal: 1070-072
Telefone: 916067084
Site: https://openbook.pt/
APRESENTAÇÃO BREVE DA INTERVENÇÃO URBANA:

O projeto de renovação e reabilitação das Galerias e Terraço Ritz teve por base o desenho arquitetónico existente, respeitando e mantendo a identidade de um edifício classificado como Monumento de Interesse Público. O projeto engloba escritórios e um restaurante, localizados na zona das antigas Galerias Ritz, o terraço superior, que inclui a piscina e o bar de apoio, e a garagem. Na zona do terraço, a intervenção considerou a recuperação e reorganização do espaço de terraço existente sobre a garagem e as galerias com a criação de áreas de lazer, jardim, uma piscina exterior e um bar de apoio. O objetivo da arquitetura foi criar um ambiente de resort urbano. Aproveitando a ligação à área verde do Parque Eduardo VII, situado nas proximidades. O conceito espacial potenciou as vistas para o Parque e a ligação com a natureza, transportando aqueles que o habitam para fora do ambiente urbano da cidade. O esboço orgânico da nova piscina e das áreas circundantes é inspirado nos planos iniciais do Hotel, onde se destaca um fluxo orgânico, que marca o desenho. Ainda no terraço, na zona do espelho de água, a intenção principal foi organizar o local e criar a noção de uma praça. A pérgula cria um limite visual com o sentido de uma área viva e define o espaço como um todo. O volume linear da pérgula, inspirado no desenho original do Hotel, confronta a indisciplina natural da copa das árvores do Parque Eduardo VII, o principal e maior parque no centro de Lisboa. O formal e o informal encontram-se, dialogando e marcando o local. Na área das Galerias, a intervenção manteve toda a fachada existente, substituindo apenas os vãos, com ligeiras adaptações ao novo programa interior. As Galerias dão lugar a espaços de escritórios (serviços) e a um Restaurante e contemplam dois pátios e zonas exteriores de circulação, com áreas verdes e um espelho de água. Nos pátios interiores das galerias, foi reposto o desenho e implantação das fachadas interiores já existentes no pátio central das antigas Galerias. As novas circulações exteriores das Galerias permitem a ligação dos novos espaços de escritórios e do restaurante aos novos espaços verdes e piscina do Terraço e, por outro lado, o acesso direto do Ritz Four Seasons Hotel Lisboa à Rua Castilho. Na Garagem, manteve-se e recuperou-se toda a estrutura existente e foi criado um novo piso inferior de estacionamento, para aumento da sua oferta de estacionamento.

MOTIVO DA CANDIDATURA:

Trata-se de uma obra num edifício emblemático da cidade de Lisboa, classificado como Monumento de Interesse Público. O projeto de recuperação e reabilitação das Galerias Ritz, teve como base de inspiração o próprio edifício. O desenvolvimento do projeto seguiu sempre a direção que o edifício (Ritz Four Seasons Hotel Lisboa) e a envolvente mais próxima/imediata nos ditaram. Os elementos principais foram respeitados e mantidos, como sejam as fachadas, o desenho das galerias e pátios interiores, toda a estrutura do piso existente (superior) da garagem, materiais aplicados e reutilizados… O projeto considerou várias frentes de atuação, todas elas com a aplicação de diferentes técnicas de reabilitação: a construção do novo piso da garagem (abaixo do piso existentes), as áreas de ligação à estrutura do hotel nas respetivas zonas de ligação, a área das novas galerias ou mesmo toda a reformulação do terraço (piscina, áreas verdes, pala…) são tipos de intervenção muito dispares, que exigem diferentes níveis e estratégias de intervenção. Podemos salientar o método utilizado para a construção do novo piso de estacionamento, abaixo do piso existente, que exigiu técnicas e trabalhos de elevada complexidade nos sistemas de apoio de toda a estrutura existente da garagem e no seu prolongamento até ao novo piso inferior. Consideramos que toda a intervenção proporciona também a reabilitação urbana da própria zona e contexto urbano em que se insere, derivada dos novos usos (escritórios, restauração e lazer), novas ligações e percursos previstos, bem como a própria imagem que resulta da sua recuperação. Estes são alguns exemplos do que nos permite considerar este projeto uma obra muito particular e com elevada complexidade no que diz respeito à Reabilitação Urbana.