Hotel Hilton Porto-Gaia

Turístico

DESIGNAÇÃO DA INTERVENÇÃO URBANA:
Nome: Hotel Hilton Porto-Gaia
Localização: R. de Serpa Pinto 124, 4400-307 Vila Nova de Gaia
Promotor/dono de obra: Sabersal Promoção Turística e Imobiliária
Arquiteto: ARQ2525 – Arquitetura Atelier; Nini Andrade Silva – Arquitetura de Interiores
Construtor: Casais Engenharia e Construção, S.A.
Data do fim de construção: 30/10/2021

ENTIDADE QUE APRESENTA A CANDIDATURA: Empresa: Casais Engenharia e Construção, S.A.
Morada: Rua do Anjo, nº 27
Localidade: Mire de Tibães
Código Postal: 4700-565
Telefone: 253305400
Site: https://www.casais.pt/
APRESENTAÇÃO BREVE DA INTERVENÇÃO URBANA:

O edifício situado na Rua Serpa Pinto e Rua Carvalhosa, em Vila Nova de Gaia, trata-se de um Hotel de 5* com 194 quartos (43 mezanines/duplex) e diversas zonas de serviços para público. Um restaurante, um executive lounge bar, esplanadas e terraços com vistas privilegiadas para o Douro e centro histórico do Porto, cabeleireiro, ginásio, zona de spa com cerca 1000m², com piscina, banho turco e sauna e ainda mais de 2000m² de salas multiusos para eventos e reuniões e um auditório com capacidade para mais de 300 pessoas. A intervenção da Casais, no edifício que contemplou em média uma área mais de 4000m² de implantação por piso, com três pisos abaixo e seis pisos acima da cota de soleira, resultando em mais de 32000m² de área de construção que nesta fase consistiu nas empreitadas de Estabilidade, Arquitetura e Decoração de Interiores e Instalações Especiais. Sendo que anteriormente já tinha sido executado pela empresa a superestrutura do edifício, foram feitas diversas demolições de elementos em betão, novas estruturas metálicas, em betão armado e mistas. Os trabalhos referentes ao projeto de Arquitetura tiveram o seu maior foco na execução de uma laje térrea em betão afagado para estacionamento, intervenção em todas as fachadas (um edifício todo revestido a zinco antracite e os restantes com isolamento ETICS e pedra grampeada), vãos exteriores em alumínio, coberturas inclinadas em telha marselha, terraços e coberturas planas, auditório com todas as respetivas exigências acústicas, 12 caixas de escadas e elevadores, zonas de serviço e áreas técnicas do hotel. No que diz respeito à Arquitetura e Decoração de Interiores o maior foco foi nos revestimentos, soluções e detalhes nos 194 quartos e zonas de público acima listadas, bem como mobiliário fixo. Por fim, a empreitada foi também extensa e desafiante relativamente a instalações de águas, esgotos e rede de Incêndio com uma ampla rede de sprinklers alimentada por grupos de bombagem, instalações elétricas incluindo gestão técnica centralizada e sistemas KNX, instalações mecânicas (AVAC) com instalação de duas bombas de calor (chillers), mais de 20 unidades de tratamento de ar, ventilo-convetores nos quartos e ventiladores em algumas zonas de serviço, e Instalação de Rede de Gás a servir a cozinha principal do restaurante no Piso 0.

MOTIVO DA CANDIDATURA:

O desafio foi realizar uma obra de construção complexa, de elevada dimensão, especificidades técnicas em meio urbano, com área total de construção de 32.602,00 m², na histórica zona das caves de vinho do Porto. A construção gera uma continuidade arquitetónica primordial, fortemente vinculada ao território da ribeira de Gaia. A alusão às coberturas de duas águas e à mancha densa de telhados que marca toda a frente ribeirinha surge como uma aposta na continuidade da imagem marcante deste território. O Hotel 5 estrelas com 194 unidades de alojamento, das quais 47 correspondem a suítes. Todos os quartos e suítes são duplos, garantindo uma grande capacidade de alojamento, sendo um dos maiores hotéis da zona. O projeto foi pensado tendo em conta dois princípios fundamentais: a clara distinção entre zonas de serviços e zona do público e a sua articulação de forma a promover a continuidade entre o espaço público e o espaço de hotel propriamente dito. As diferentes funções são agregadas em diferentes pisos, reservando-se as áreas de cave a estacionamento e serviços de apoio ao hotel e os restantes, rés-do-chão e cinco pisos, a áreas de equipamentos e quartos. A construção do hotel baseou-se no processo construtivo do tipo tradicional, paredes exteriores em bloco térmico, com a zona inferior das fachadas em granito cinza grampeado, sistemas “etics” e um edifício totalmente revestido a zinco antracite, com junta agrafada fixo a estrutura de madeira com isolamento no interior. O resultado final foi criação de um hotel de 5 estrelas, com capacidade de alojamento de 388 pessoas, a criação de diversas zonas de serviço para usufruto dos clientes como o restaurante, o auditório, as cinco salas multiusos, a piscina interior, a zona de SPA (com salas de tratamento, banho turco e sauna), o ginásio e os executive lounge bar. Tudo isto com o elevado padrão de qualidade e requinte que um hotel de luxo, e nomeadamente da marca Hilton, comporta.