Escola Luísa Ducla Soares

Impacto Social

DESIGNAÇÃO DA INTERVENÇÃO URBANA:
Nome: Escola Luísa Ducla Soares
Localização: Rua do Passadiço, n.º 86, 1150-255 Lisboa
Promotor/dono de obra: Câmara Municipal de Lisboa
Arquiteto: Arq.ª Ana Lúcia Barbosa | Arq.ª Ana Antunes – Acompanhamento técnico à Obra | Arq.º Filipe Araújo – Projeto de Execução
Construtor: M. Kairos - Engenharia e Construção, SA - Eng.º Filipe Salgado | Eng.º Telmo Soares | Eng.ª Maria João Costa | Des. Maria José Ramos
Data do fim de construção: 14/09/2020

ENTIDADE QUE APRESENTA A CANDIDATURA: Empresa: Câmara Municipal de Lisboa
Morada: Praça do Município
Localidade: Lisboa
Código Postal: 1100-038
Telefone: 217988850
Site: https://www.lisboa.pt
APRESENTAÇÃO BREVE DA INTERVENÇÃO URBANA:

A Escola Luísa Ducla Soares insere-se na malha urbana consolidada da freguesia de Santo António, em Lisboa, na encosta poente entre o Hospital de Santo António dos Capuchos e a Avenida da Liberdade. O conjunto é composto por vários corpos que se estabelecem no interior do vasto logradouro, num desnível de cerca de 12,00 m; tem acesso principal pelo edifício com frente para a Rua do Passadiço e acesso secundário pela Calçada de São Francisco. O conjunto está classificado como “Imóvel de Interesse Municipal” e ao longo do tempo foi alvo de distintos usos, dos quais destacamos: Legação da Alemanha em Portugal (após 1923), sede do Sporting Club de Portugal (1947-1971) e equipamento escolar / “Escola nº37 e 38” (após 1979). A atual intervenção surge no contexto da degradação generalizada do conjunto e da necessidade de adequação à legislação em vigor quanto a acessibilidade, segurança contra risco de incêndio, segurança antissísmica e eliminação de amianto. Com a reabilitação e ampliação do equipamento procurámos, por um lado, clarificar a relação entre os vários corpos edificados e respetivas ligações, de modo a melhorar as condições de utilização por parte da comunidade escolar, que se prevê composta por um total de 150 crianças (50 alunos em JI + 100 alunos em EB1). Por outro lado, pretendeu-se preservar as caraterísticas que conferem valor patrimonial ao conjunto. No logradouro, em propriedade municipal adjacente ao equipamento escolar, detetou-se a presença de um teatro arruinado. A sua anexação permitiu a ampliação de área disponível, prevendo-se uma utilização partilhada com a comunidade local, através da Junta de Freguesia. Inserida no recreio escolar, recuperámos também a estrutura de um Cineteatro ao Ar Livre com características arquitetónicas “Art Déco” e influências do “Jugend Stil” de origem alemã que, provavelmente, será hoje um exemplar único desta funcionalidade existente em Lisboa.

MOTIVO DA CANDIDATURA:

A Escola Luísa Ducla Soares tem uma localização privilegiada por se encontrar numa área urbana consolidada e central da cidade de Lisboa. A intervenção, de promoção autárquica, procura a revitalização da área através do incremento da função residencial e em particular a fixação de uma população jovem, com filhos em idade escolar. À semelhança de outras áreas de Lisboa, nesta zona histórica predominam edifícios residenciais degradados com habitações precárias, a par de imóveis devolutos entaipados e de outros já renovados, com um padrão habitacional de elevada qualidade. Neste contexto urbano onde coexistem várias etnias, a aposta na reabilitação do equipamento veio favorecer uma vivência de interculturalidade na comunidade escolar. Para além da questão referida anteriormente, o facto de a escola estar implantada num território de topografia acidentada e de acessos condicionados, afastado das principais vias de comunicação, gera uma vivência de bairro onde o equipamento escolar assume um papel agregador e dinamizador da comunidade local. Do ponto de vista do projeto, procurou-se que a inserção e compatibilização dos requisitos dos diferentes projetos das especialidades, em alguns casos com soluções inovadoras adequadas à construção em presença, obtivessem o menor impacto possível na edificação. A intervenção torna-se especial pela salvaguarda dos valores patrimoniais em presença, nomeadamente as estruturas arquitetónicas que foram preservadas e integradas no projeto geral de arquitetura, na adequação ao mesmo uso, mas com padrões de utilização atuais. O edifício escolar apresenta uma única fachada “pública” para a rua do Passadiço, sendo o restante constituído por vários corpos edificados no interior do vasto quarteirão onde se insere. Contribuíram para a regeneração do logradouro a transformação da antiga ruína de um Teatro (e construções anexas) em Auditório polivalente, bem como, a recuperação integral do Cineteatro ao Ar Livre onde foi promovida a acessibilidade para pessoas com mobilidade condicionada. O potencial cultural desta área da cidade que se revela nas estruturas encontradas no interior do quarteirão-Auditório e Cineteatro ao Ar Livre–constitui uma mais-valia para a dinamização cultural da população escolar, local e de todos os lisboetas. A intervenção apresenta características especiais, por respeitar a memória do passado estabelecendo o diálogo com o presente, e contribuiu ainda para a dinamização cultural e residencial da cidade.