Praça - Mercado de Famalicão

Impacto Social

DESIGNAÇÃO DA INTERVENÇÃO URBANA:
Nome: Praça - Mercado de Famalicão
Localização: Vila Nova de Famalicão
Promotor/dono de obra: Município de Vila Nova de Famalicão
Arquiteto: Rui Mendes Ribeiro
Construtor: Famaconcret Lda
Data do fim de construção: 25/04/2021

ENTIDADE QUE APRESENTA A CANDIDATURA: Empresa: Municipio Famalicão
Morada: Praça Álvaro Marques
Localidade: Vila Nova de Famalicão
Código Postal: 4764-502
Telefone: 916740909
Site: https://www.cm-vnfamalicao.pt/
APRESENTAÇÃO BREVE DA INTERVENÇÃO URBANA:

Inaugurado a 21 de setembro de 1952, a construção do mercado municipal de Vila Nova de Famalicão teve um duplo objetivo, por um lado o de descongestionar o antigo campo da feira (atual praça D.Maria II) e por outro tornar esse espaço mais agradável e com melhores condições de higiene. Depois de um período áureo, o mercado apresentava-se à data da intervenção como um espaço obsoleto e sem uma dinâmica capaz de atrair novos e diversificados consumidores. O edifício principal é constituído por três corpos retangulares, adossados entre si, e um torreão que possui o brasão da cidade e marca a transição entre a praça D. Maria II e a rua capitão Manuel Carvalho. A uma cota superior, o acesso ao pátio (Praça) do mercado é feito por duas entradas, a Norte, pela rua capitão Manuel Carvalho e a Poente, pela praça D. Maria II. O pátio, a uma cota inferior éra apoiado por três edifícios destinados à venda de carne, peixe e fruta. O volume principal, que em projeto foi mantido e reabilitado, assume em planta a forma de linha quebrada, sendo que a uma cota superior acompanha a frente de rua e os espaços interiores são ocupados por diversos estabelecimentos comerciais (lojas de rua). A intervenção sobre o Mercado Municipal de Vila Nova de Famalicão visou a sua reabilitação, tendo como premissa a valorização do seu caráter arquitetónico e a melhoria das condições existentes. Deste modo, além da intervenção sobre o edifício existente, foi construído um novo corpo em estrutura metálica, garantindo a capacidade de atender às necessidades do mercado permanente e cíclico, e ainda permitir a abertura de uma nova frente urbana para a avenida Marechal Humberto Delgado e Praça Mouzinho de Albuquerque. O revestimento deste novo corpo garante o sombreamento e impermeabilização do espaço e tem como referência o módulo triangular do torreão preexistente, como meio para uma maior integração na envolvente.

MOTIVO DA CANDIDATURA:

A presente candidatura ao Prémio Nacional de Reabilitação Urbana tem como pretensão a partilha do projeto e obra de reabilitação e ampliação do Mercado Municipal de Vila Nova de Famalicão, promovido pelo Município, na prossecução do seu contínuo plano de revitalização do centro urbano do concelho. O projeto e obra executados, tiveram como premissa a reabilitação dos edifícios originais de meados do século XX, garantindo a sua autenticidade e valorização, e ainda a sua ampliação, através de uma estrutura claramente contemporânea. Teve-se, contudo, como fio condutor, uma clara integração na preexistência, uma melhoria das condições existentes, e o uso de referências estéticas de elementos dos edifícios originais. O Mercado Municipal de Vila Nova de Famalicão, tornou-se imediatamente um ponto de referência na cidade e na região norte, por um lado devido às melhores condições funcionais criadas e pelo respeito pelo caráter histórico dos edifícios originais, e por outro, devido ao facto de se ter tornado um espaço multifuncional, que possibilita a manutenção do comércio de frescos tradicional, e a introdução de espaços de restauração e serviços, que garantem a conquista de novos públicos, criando uma dinâmica nunca antes vista neste espaço. Deste modo foi criado um novo espaço-âncora, fundamental para a revitalização do centro urbano, tendo o projeto de arquitetura e a sua estratégia de intervenção um papel fundamental. Entende-se que a intervenção em apreço tem condições de, ao ter reconhecimento, constituir um exemplo de boas práticas, ao nível da reabilitação de um edifício público, a nível nacional. São estas as principais razões que se entendem fundamentais para ser considerada esta candidatura ao PNRU.