Edificio EMPORIUM

Residencial

DESIGNAÇÃO DA INTERVENÇÃO URBANA:
Nome: Edificio EMPORIUM
Localização: RUA DE SÁ DA BANDEIRA N.º 630/676 E RUA GUEDES DE AZEVEDO 41/51
Promotor/dono de obra: EMPORIUM 658 – INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS, LDA
Arquiteto: Duarte Morais Soares
Construtor: ANORTE – CONSTRUÇÃO E ENGENHARIA LDA.
Data do fim de construção: 20/03/2021

ENTIDADE QUE APRESENTA A CANDIDATURA: Empresa: EMPORIUM 658 – INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS, LDA
Morada: RUA DAS CONDOMINHAS 15
Localidade: Porto
Código Postal: 4150 - 222 PORTO
Telefone: 226007309
Site: None
APRESENTAÇÃO BREVE DA INTERVENÇÃO URBANA:

A intervenção de reabilitação do Edifício Emporium foi feita com uma clara preocupação em respeitar e preservar a história do icónico edifício desenhado nos anos 1940 pelo Arquitecto José Porto, e na sua valorização enquanto edifício de habitação qualificada, mas também enquanto peça urbana por excelência. O cuidado posto no desenho atravessou todas as escalas, desde o pormenor até ao quarteirão, e todos os níveis de utilização, desde o carácter íntimo da habitação até ao carácter público da frente de rua. Entre eles, também o desenho de um mundo interior, um jardim criado para ocupar, em sistema de cobertura verde, um miolo de quarteirão até então esquecido em coberturas de fibrocimento. O projecto tentou, quase imperceptivelmente, juntar a graciosidade da arquitectura de época ao desenho contemporâneo, com uma preocupação constante em incorporar conforto e introduzir novos espaços de vivência, criando um bloco residencial com características predominantemente familiares. Em plena Rua Sá da Bandeira, com os seus áceres-prateados, o magnífico edifício de arquitectura moderna foi convertido num pequeno condomínio de 23 residências, com garagem e jardim privativo, a poucos passos do Mercado do Bolhão, numa das mais bonitas ruas do Porto. O carácter cosmopolita do edifício manteve-se, incluindo também a reabilitação das três lojas de rua e a manutenção, sem alterações, do interior do restaurante cervejaria Cunha, desenhado por Vítor Palla e Bento d’Almeida, classificado como loja histórica do Porto. Reabilitou-se também uma importante garagem pública de estacionamento do Porto, a Garagem Sá da Bandeira, que ocupa dois pisos inteiros em cave (com um terceiro reservado a estacionamento de moradores) sobre os quais se estende agora o jardim. A requalificação do edifício deu espaço a mais de 800m2 de coberturas verdes intensivas, criando um verdadeiro jardim interior no centro da cidade. Árvores de porte significativo são as protagonistas do jardim, alterando drasticamente o cenário existente no edifício desde 1948, tanto a nível ecológico quanto estético, e proporcionando diversos serviços ecossistémicos à cidade. A escolha das espécies arbóreas, na sua grande maioria folhosas com elevado valor sensorial, induzem a melhoria da qualidade do ar, através da captação do CO2, produção de oxigénio e retenção de poeiras e partículas em suspensão. Simultaneamente, a sua variedade, e a presença de floração e bagas, promove a biodiversidade e ajuda na criação de um verdadeiro ecossistema no pátio interior do edifício. Desta forma, e devido à sua dimensão, o projecto tem impacto também à escala ecológica da cidade, podendo ser visto como um importante ponto de ligação com uma rede de outros espaços verdes urbanos.

MOTIVO DA CANDIDATURA:

Acreditamos que a candidatura da obra de reabilitação do Edifício Emporium pode ter especial relevância por tocar todas a vertentes que o Prémio Nacional de Reabilitação Urbana procura distinguir. Sendo uma intervenção urbana com grande contributo para a qualificação da cidade do Porto, situa-se numa importante artéria da baixa da cidade, zona prioritária assinalada para a requalificação urbana. A obra permitiu reabilitar um edifício que é património histórico, arquitectónico e afectivo da cidade e que, embora a sua integridade não estivesse em risco, se encontrava profundamente desqualificado e esquecido na cidade. Ocupando um quarteirão inteiro, e tendo uma programa tão rico em termos de vida urbana (integrando habitação, comércio, restauração e estacionamento público), o seu impacto é inegável nas diversas valências.