André Jordan

André Jordan nasceu na Polónia em 1933 e a sua vida profissional foi feita principalmente no Brasil, na Argentina, nos EUA e finalmente em Portugal, onde vive e tem projectos desde 1970. A sua carreira no desenvolvimento imobiliário começou no grupo pertencente à família, no Rio de Janeiro. Liderou projectos na Argentina e no Uruguai e foi pioneiro na introdução do conceito de shopping centers no Brasil. Paralelamente, interessou-se pelo jornalismo, trabalhando como repórter e cronista em várias publicações e integrando a equipa fundadora da revista «Visão».

Em Portugal, foi o criador da Quinta do Lago, a qual, 40 anos depois, ainda é considerada um dos empreendimentos de maior qualidade na Europa. Em 1991, fundou a Planbelas, com o objectivo de desenvolver o Belas Clube de Campo, actualmente em fase de expansão. Entre 1995 e 2005, André Jordan foi proprietário da Lusotur, promotora de Vilamoura, a maior comunidade de lazer na Europa, a qual foi recuperada e conheceu uma grande expansão com o projecto urbanístico Vilamoura XXI. A preocupação ambiental tem sido permanente na sua obra, como várias certificações e prémios internacionais comprovam.


 

António Tomás CorreiaAntónio Tomás Correia

Presidente do Conselho de Administração do Grupo Montepio Geral, desde 2008, António Tomás Correia é licenciado em Direito pela Universidade Clássica de Lisboa.

Inicia a sua carreira profissional na Caixa Geral de Depósitos em 1967 onde desempenha múltiplas funções, começando em tarefas administrativas e técnicas, até Director Coordenador da Direcção de Crédito à Habitação e Construção e na Direcção Internacional.

Ainda no grupo CGD, foi Administrador do Banco Luso Español; Administrador Delegado do Banco de Extremadura; Administrador Delegado do Banco Luso Español; Administrador do Banco de Extremadura; Presidente do Banco Luso Español, Administrador do Banco de Extremadura, Presidente do Banco Luso Español, Banco de Extremadura e Banco Simeón; Administrador do Banco Itaú; Presidente do Banco Bandeirantes; Administrador do Banco Nacional Ultramarino. Entre 1995 e 2003 é administrador da Caixa Geral de Depósitos.

Em 2004 assume novas funções no Grupo Montepio Geral, como Vogal do Conselho de Administração do Montepio Geral (2004 a 30 Abril 2008).


 

Augusto Mateus

Augusto MateusEconomista e professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) onde leciona economia portuguesa e europeia, política económica e atividade empresarial e política industrial e competitividade.

Presidente da sociedade de consultores Augusto Mateus & Associados, é investigador e coordenador de múltiplos estudos de macroeconomia e de política económica, de avaliação de programas e políticas públicas e de competitividade de empresas e regiões.

Comissário do plano para a revitalização da Baixa-Chiado, coordena múltiplas estratégias de desenvolvimento competitivo de âmbito concelho,intermunicipal e regional bem como projetos de candidatura de regeneração urbana.

No domínio da reforma administrativa, liderou ainda a investigação que baseou o novo modelo de governação da cidade de Lisboa.
Secretário de Estado da Indústria e Ministro da Economia do XIII Governo Constitucional, lançou o plano de regularização de dívidas ao Estado também conhecido como Plano Mateus.


 

Gonçalo Byrne

Gonçalo ByrneFundador e Director Executivo do Atelier de Arquitectura GONÇALO BYRNE Arquitectos, Lda., que reúne um vasto grupo de profissionais numa equipa multidisciplinar, com níveis distintos de experiência na realização de projectos de arquitectura e de planeamento urbano. Conta, até à data, com uma extensa realização de obras e de estudos com expressão, divulgação e forte reconhecimento público, cultural e patrimonial.

Diversificada em termos de escala, de tema e de programa, os trabalhos mais recentes abrangem no seu conjunto projectos que vão desde o planeamento urbano ao desenho de espaço público e de edifícios, à gestão de projecto, desenvolvimento e sustentabilidade. Ao longo dos últimos 35 anos, o trabalho de Gonçalo Byrne tem sido amplamente reconhecido, premiado e divulgado, quer através de publicações, quer de exposições ou iniciativas de divulgação cultural a nível nacional e internacional. Recebe o título de Doutor Honoris Causa, pela Faculdade de Arquitectura da Universidade Técnica de Lisboa e pela Faculdade de Arquitectura de Alghero e, entre muitos outros, o Prémio A.I.C.A. / S.E.C. pelo conjunto da obra realizada e a Medalha de Ouro da Academia de Arquitectura de França. Tem uma carreira de docência na área de projecto, fundamentalmente como professor convidado em várias universidades, das quais se destacam as de Coimbra, Lausanne, Venezia, Mendrisio, Louvaina, Harvard, Pamplona, Universidade Católica Portuguesa - Pólo de Viseu, ISCTE.


 

Luis Lima

Gestor de formação e empresário no sector imobiliário e vinícola, lidera, desde Janeiro de 2009, os destinos da Associação de Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP) num mandato que durará até 2013.

É também Presidente do Conselho de Administração da APEMIP Serviços, uma empresa detida a 100 % pela APEMIP, dedicada a prestar serviços a empresas e profissionais do setor imobiliário.

É ainda Vice-Presidente da Confederação Portuguesa da Construção e do Imobiliário (CPCI) integrando, nesta qualidade, o Conselho Económico e Social (CES).

Além disso assume a Presidência da Confederação da Construção e do Imobiliário de Língua Oficial Portuguesa (CIMLOP). Na génese da CIMLOP está a vontade e necessidade da criação de uma rota de investimento dos países de língua oficial portuguesa, instrumento de captação de investimento para os mercados imobiliários dos países que integram a CIMLOP e instrumento de estímulo à cooperação e parceria entre instituições lusófonas.

Atualmente representa a CIMLOP como membro da Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CE-CPLP).

Também internacionalmente, preside o capítulo português da FIABCI - Fédération Internationale des Administrateurs de Biens Conseils et Agents Immobiliers, uma entidade não política, cujo objetivo é cooperar com os seus membros conferindo-lhes uma dimensão internacional.