Nome: Largos de S. Pedro, Wellington e Infante D. Henrique

Localização: Largos de S. Pedro, Wellington e Largo Infante D. Henrique

Promotor / Dono de Obra: Município de Torres Vedras

Arquiteto: Área de Projectos da Câmara Municipal de Torres Vedras

Construtor: Vibeiras, S.A.

Financiamento: QREN - Programa + Centro e Câmara Municipal de Torres Vedras

Data do fim de construção: 28/09/2012

Apresentação Breve da Intervenção Urbana: A requalificação do sistema de largos urbanos que caracterizam o coração do Centro Histórico de Torres Vedras insere-se no Programa de Acção "Torres ao Centro: Regeneração Urbana no Centro Histórico de Torres Vedras" do "Polis XXI – Parcerias para a Regeneração Urbana", assumindo-se como projecto chave na requalificação do espaço público e do ambiente urbano.

A área de intervenção é marcada pela presença de dois monumentos nacionais – o Chafariz dos Canos e a Igreja de S. Pedro – e pelo espaço público em que se inscrevem. Implantada no centro do espaço a intervencionar, a Igreja de S. Pedro divide e delimita a poente o Largo de S. Pedro e a nascente o Largo Wellington. O Largo Infante D. Henrique é dominado pela presença do Chafariz dos Canos, chafariz gótico de espaldar plano e pavilhão de planta semicircular abobadada cujo restauro decorreu paralelamente à intervenção no espaço público. A intervenção proposta abrange também os arruamentos contíguos e de aproximação, numa área total de 5.834m2.

O estado de alguma degradação e abandono a que chegaram estes Largos – alvos de intervenção nos anos 70 e 80 do século passado – levou a que o Plano de Pormenor de Salvaguarda do Centro Histórico de Torres Vedras publicado em 2010 estabelecesse Unidades de Projecto para a área, determinando como premissa programática a pedonalização dos Largos, mantendo-se apenas circulação viária sem restrições no eixo da Rua Tenente Coronel João Luís Moura e na Rua Cândido dos Reis.

O projecto foi elaborado pela equipa projectista da Área de Projecto da Câmara Municipal de Torres Vedras. A obra foi adjudicada por um valor total de 742.874€ à empresa Vibeiras, SA e foi inaugurada durante o mês de Outubro de 2012 com uma série de eventos no espaço público.

Motivo da Candidatura: A candidatura adequa-se pela reflexão sobre o conceito de "reabilitação" em que se baseou o trabalho de projecto.

O projecto partiu de uma análise crítica da evolução do espaço urbano desde o início do séc. XX. No caso dos Largos de S. Pedro e Wellington, esta evolução foi sobretudo ditada pelos requisitos do automóvel: à imagem de um grande terreiro de saibro que envolvia a Igreja de S. Pedro, onde se organizavam feiras e mercados públicos no início do séc. XX, foram-se contrapondo as necessidades da circulação viária e estacionamento consequentes da importância da Estrada Nacional 8 que atravessava o espaço. No caso do Largo Infante D. Henrique, a obsolescência de uso do Chafariz dos Canos, causada pelo advento da água canalizada e também, em parte, pelo domínio do automóvel enquanto meio de locomoção, contrapôs à imagem do Chafariz no início do séc. XX – um equipamento estruturante articulado com o grande tanque de bebida para os animais que ocupava o Largo – uma imagem de progressivo abandono e negligência do espaço público e do próprio Chafariz, num Largo desfigurado pela escala dos edifícios que foram crescendo em redor.

Esta análise começou a transformar-se numa ideia de reabilitação no momento em que, a propósito da pedonalização programada, se subverteram as premissas que foram presidindo à evolução do espaço urbano ao longo do séc.XX, procurando-se reintegrar a Igreja no espaço envolvente, tornando-a de novo no elemento gerador do espaço público em seu redor, redesenhando-se e repropondo-se a plataforma de acesso original no Largo de S. Pedro e o terreiro de saibro no Largo Wellington e procurando reclamar para o Chafariz dos Canos a capacidade de organizar todas as percepções do Largo Infante D. Henrique, repondo-se a presença da água no centro do espaço público através de um espelho de água "transitável".

Poster: