Nome: Edifício da Antiga Cerâmica Arganilense

Localização: Arganil, Portugal

Promotor / Dono de Obra: Município de Arganil

Arquiteto: Vítor Manuel de Faria Seabra Monteiro

Construtor: Telhabel -. Construções, S.A.

Data do fim de construção: 07/10/2012

Apresentação Breve da Intervenção Urbana: O projecto para obra de reabilitação do Edifício da Antiga Cerâmica Arganilense nasceu em 2008 com o lançamento de um concurso de ideias para a elaboração deste projecto. Este concurso, lançado pelo Município de Arganil, tinha por objectivo a realização de uma obra de reabilitação neste edifício simbólico, que resolvesse os seus problemas estruturais, mantendo os seus principais elementos arquitectónicos (fornos, fachadas e tipo de cobertura) e prevendo todos os trabalhos necessários ao funcionamento do edifício, incluindo obras de ampliação que permitissem albergar o programa funcional proposto.

O gabinete Mofase –Arquitectura e Engenharia, Lda., classificado em 1º lugar neste concurso, desenvolveu o projecto em todas as suas fases, incluindo o acompanhamento da obra apresentada. Em resposta ao programa funcional proposto, o edifício tem uma estrutura organizacional que divide o programa em três grandes grupos, a que correspondem três volumes de construção, articulados a partir de um ponto comum que será a “rótula” que articula todo o edifício.

Na construção existente, que mantém a estrutura dos fornos e dos pilares, enfatizada pelo pé-direito triplo criado, localiza-se toda a área comercial, com apoio de restauração e similares. No corpo central, por onde se faz a entrada e a articulação com todo o programa, fica o supermercado e o auditório. Este espaço, que se pretende que funcione como recepção do edifício, é dotado de algumas características que enfatizam o seu carácter, como são o pé direito duplo com a sobreposição de volumes soltos, o enquadramento visual da chaminé existente e o fácil domínio visual dos pontos-chave do edifício. O terceiro corpo destinado às piscinas e health club, apresenta-se em continuidade com o restante, respeitando as especificidades funcionais que lhe são intrínsecas.

Motivo da Candidatura: No projecto e obra em apresentação, procurou-se uma linha de intervenção que teve como matriz o respeito pelo existente, quer no que concerne ao edifício como elemento arquitectónico, importante pelas suas referências construtivas e qualidade de desenho, quer pela sua história, quer pelas marcas que lhe foram sendo impostas. A adequação da estrutura existente ao novo programa é mérito, também da plasticidade da pré-existência. Assim, a intervenção assenta na criação de uma estrutura interior, autónoma da existente, que se materializa como edifício no corpo das piscinas e do auditório. Esta opção permite manter uma coerência de linguagem na globalidade da intervenção, quer se trate da recuperação, quer da remodelação das antigas instalações fabris. Por outro lado, despindo o edifício existente de todos os elementos construtivos acessórios, é permitida a leitura da sua volumetria de uma forma mais verdadeira, valorizando a sua estrutura espacial. A opção pela linguagem e pelos materiais ficou também reduzida aos elementos fundamentais -na linguagem a procura de um ritmo, sugerido pelo edifício existente, que se traduz na criação de uma modulação de fachada, nos materiais a redução ao essencial para materializar esta intenção -os elementos estruturais e o vidro.

Poster: